Por que o nome do blog!!!!

“A felicidade está na trajetória.”
Por Este motivo somos os amigos que temos as causas que defendemos aquilo que comemos nossa música, nossos filmes, nosso gosto ou não pela arte, poesia! Pessoas que têm sintonia com a gente
Neste espaço só tenho Este compromisso de viajar em meus doídos e doidos momentos!
Aqui terei até os presentes que dei, que ganho.

TUDO FAZ PARTE DO QUE SOU!

Além de isto ser uma viagem, pois sempre pensei que me conhecia, mas quero a essência e convido vocês para que façamos esta viagem juntos. VALERÁ A PENA!
À medida que for escrevendo, vou me descobrindo!
MINHA LEVEZA, POR DIAS, O PESO DAS ALMAS DO MUNDO, POR OUTROS DIAS!
Minhas feridas cicatrizadas, ainda por cicatrizar, meus momentos de grande importância e, até, histórias que conto.

quarta-feira, 10 de março de 2010

FOI MAIS QUE VIRAR PEDRA.

UMA DAS MORTES que vivi.

Eu sou apenas, alguém  que anda perdida, muito perdida em minhas convicções, mas não que ache ser isto o motivo da minha morte, de uma das minhas mortes.
Até porque também não preciso viver vivendo de certezas, posso até degustar as incertezas, sou capaz de conviver com os sentimentos paradoxos, com os sentimentos de alegria, tristeza, melancolia, amores, desamores, todos estes cantados em verso e prosa.
TODOS FASCINANTES.


Assim como muitos, amo tudo que vêm do amor, mas, nem sempre consigo lidar com realidade, excesso de realidade. Aquela que é, realmente, dura, chocante.
PERDAS de pessoas que amamos afastamento forçado do essencial para nós.
Alguns sonhos nos são tirados e vivemos, até conseguimos fazer versos sobre este desmoronamento, mas, OUTROS, outros que são aquilo que nos mantêm em pé, estes sonhos, retirados de nós, não vejo como ficar colorida sem eles.

ÀS VEZES, amo a vida de todas as suas formas, amo margaridas, amo falar, tagarelar, com ar adolescente. OUSO, brinco com até aonde posso ir, sem medo. Rio do medo.
MAS, quando a dor é chaga, é sentir-se morta, não imóvel, mas morta. Não se reconhecendo em nada, nem reconhecendo os outros em nada. Esta irradiação de estar apenas com o possível, mas sem o essencial é desesperadora.PENSEI QUE TINHA MORRIDO UMA DAS MORTES, MAIS UMA, JÁ QUE OS POETAS DIZEM QUE MORREMOS MUITAS VEZES.SENTI-me morta, não consegui ver meu jardim, ceguei, não vi beleza, nem na alegria, nem na tristeza, pois os sentimentos não eram estes.
Também não era o meio termo, o morno, este suportaria, talvez inquieta, não sendo eu, mas suportaria.
MAIS FOI MAIS FORTE QUE TUDO ISTO.

Cheguei ao fundo, tive sabedoria, mas não bastou. MINHA COR ERA O PRETO.Perdi o brilho, pois perdi minha essência.A dor foi de uma profundidade que me senti morta.Ainda estou ressuscitado com minhas bengalas, com amigos, cada um com seu pincel. Cada um dá um tom, desde os pastéis, até uma chamada em vermelho, em verde. DÁ UMA COR DIFERENTE.Pintem-me diferente, lentamente, sem forçar meu momento.Minha reconstrução será sem pressa. Será sólida.Por favor, não me enxerguem morta, POIS SE ASSIM ME ENXERGARAM, MORREIREI MESMO.PROCUREM-ME NAS COISAS QUE ACREDITO: NA ALEGRIA DOS JOVENS, NA SEDE DE VIVER DOS APAIXONADOS, NO SONO TRANQUILO DE UMA CRIANÇA.NO BRILHO DOS OLHOS AO VER UM SIMPLES BRIGADEIRO, AO VER O BEIJO DOS APAIXONADOS, NAS PALAVRAS DE AJUDA A UMA AMIGA, NA SOLIDARIEDADE.NO AMOR DE HOMEM MULHER, NO GOZO COM PROFUNDIDADE, AQUELE QUE NÃO TERMINA QUE FICA DOENDO, MAS DE FELICIDAE.DE ALGUÉM QUE IRRADIA O BEM, QUE AMA BONITO, MAS QUE, AGORA, ESTÁ CINZA.ESTA COR SERÁ MIHA, POIS NÃO CONSIGO SER FELIZ, SER RADIANTE, COM A TRISTEZA DE UM PAI, COM A MORTE DE UMA MÃE, COM A DESCRENÇA DE TER NOVAMENTE A FELICIDADE DE ABRAÇÁ-LOS.NO RESTO, ACHO ENCANTO, ATÉ NOS ENCONTROS E DESENCONTROS, MAS NÃO, NA MORTE EM VIDA, SÓ TENHO DESESPERO, IMPOTÊNCIA.FICAREI ASSIM ATÉ AS CORES VIREM CHEGANDO LENTAMENTE.SINTO-ME  PROFUNDA E SÁBIA DESDE O BRINCAR ATÉ O GOZO. MINHA BOCA ESTÁ CHEIA DE VERDADES CONTESTADAS POR MIM MESMAS, TENHO, NO MOMENTO, UM OLHAR DE ESPANTO. OPACO.
QUERIA ENCONTRAR NO DRAMA ALGUMA POESIA, MAS NÃO HÁ POESIA NO DRAMA, APENAS UM APRENDIZADO DOLOROSO, MAS NECESSÁRIO.
ACREDITEM, OU DUVIDEM, MAS QUEM JÁ VIVEU UMA HISTÓRIA DE VIDA BEM VIVIDA, SEM FUGAS, SEM MENTIRAS, SEM MÁSCARAS, PRECISA DO SILÊNCIO, DO ACALENTO, DOS AMIGOS, PARA VOLTAR A TER COR.DEIXAREI-ME INVADIR POR TUDO QUE ME DEREM DE BOM, GUARDAREI OS AFETOS EM MEU CORPO, TATUADOS PARA SEMPRE.QUERO-ME DE VOLTA, ENTÃO ME ACHEM NA POESIA,TALVEZ ASSIM EU VOLTE,SENDO POSSIBLIDADE, DEPOIS REALIDADE, POR FIM A MAIS PURA INTENSIDADE.SOU UMA MULHER, UMA LOBA, UMA LOBINHA, COLORIDA, CHEIA DE VIDA, QUE ESTEVE PRETA E PODERÁ VOLTAR A TER COR E POESIA.UMA BOCA SÁBIA E SEDENTE E UM OLHAR QUE NÃO DIZ TUDO, MAS DIZ MUITO.   

TEXTO DE CRIS POULAIN.

3 comentários:

Cacau Loureiro disse...

Lindo texto, bonito, sensível, emocionante, verdadeiro, profundo como a vida menina; o choro nos liberta, o choque nos faz crescer, e o sorriso nos entrega a vida nas mãos. Estou aqui para que tu vivas, o meu carinho, bj!

continuando assim... disse...

bonito texto, passarei a seguir

obrigada pela visita lá no continuando assim ...

mais logo o capítulo 5!
bj
teresa

Felina Mulher disse...

Oi Cris, nossaaaa quanto tempo heim menina?
Que bom que voltaste.O teu texto é lindo....~vê se aparece mais!


beijos____Felina.

Registro de Visitas

 
© 2007 Template feito por Áurea R.C.